Confira os minicursos disponíveis

Em meio às diversas demandas ao longo da vida, é comum deixarmos os períodos de pausas, desaceleração, de relaxamento e meditação em segundo plano. Nos identificamos com a vida em movimento e nem sempre exercitamos o estado de presença. A proposta do minicurso é proporcionar uma reflexão acerca das técnicas e práticas que promovem o equilíbrio entre corpo e mente em uma perspectiva integrada, que tanto pode ser voltada a pessoa idosa, quanto para familiares, cuidadores e profissionais de saúde. Os objetivos são despertar para o auto-cuidado a partir de uma compreensão ampliada da saúde em suas dimensões física, emocional, energética e espiritual. A metodologia baseada na educação em saúde será vivencial com orientações de técnicas corporais e de meditação guiada, com metodologias alternativas como Escuta Essencial, Equilíbrio dos Chacras, Práticas de Respiração Consciente, Vivências de Relaxamento e Práticas de Meditação. Para o êxito das vivências propostas faz-se necessário um ambiente compatível ao desenvolvimento das atividades, com ênfase ao silêncio e ao conforto para os participantes. Com as práticas propostas pretende-se treinar a presença, estabilidade, abertura, criatividade e luminosidade para o corpo e mente.

MINISTRANTES:
Vitória Regina Quirino de Araújo (UEPB)
Ana Luiza Morais de Azevedo (UEPB)

Carga Horária: 4

Vagas Disponíveis: 87

ADICIONAR

O minicurso possui uma abordagem acerca de:

1 - Dados sobre longevidade no Brasil e no Paraná;
2 - Desafios da longevidade;
3 - Soluções para a longevidade na indústria: relações intergeracionais, saúde mental, gestão para a longevidade e vida e trabalho;
4 - Dinâmicas;
5 - Apresentação do Portal da Longevidade.

MINISTRANTES:
Noélly Cristina Harrison Mercer (Sistema FIEP)
AIsabela Drago (Sistema FIEP)

Carga Horária: 4

Vagas Disponíveis: 28

ADICIONAR

O sono é um grave problema de saúde pública entre pessoas idosas. Estima-se que 50% das pessoas idosas que procuram consultórios médicos, apresentam sintomas relacionados ao sono. Além disso, por vezes, essas modificações, podem surgir acompanhadas de morbidades que interferem na qualidade e/ou quantidade do sono, como, entre outras: depressão, insuficiência cardíaca congestiva, doença pulmonar obstrutiva crônica, obesidade e incontinência urinária, ocorrendo geralmente dificuldade em iniciar e manter o sono. Os principais distúrbios do sono encontrados em pessoas idosas são: Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono, Insônias, Síndrome das pernas inquietas e Transtorno comportamental do sono REM. A temática em questão se faz necessário em decorrência do crescimento do envelhecimento populacional e aumento da expectativa de vida, o que tem aumentado a prevalência de pessoas idosas que apresentam queixas relacionadas ao sono tendo como conseqüência efeitos deletérios na qualidade de vida. Esse minicurso visa identificar os aspectos da fisiologia do sono e as alterações esperadas com o processo de envelhecimento humano, caracterizar os principais métodos complementares de diagnósticos dos distúrbios do sono em pessoas idosas, conhecer os principais instrumentos de avaliação do sono através de medidas subjetivas e objetivas e diferenciar as opções de tratamento farmacológico e não farmacológico dos distúrbios do sono mais indicados para pessoas idosas no âmbito interdisciplinar. Refletir e discutir os distúrbios do sono é de grande relevância em virtude de ser uma área ainda pouco investigada e avaliada na área da geriatria e gerontologia. É imprescindível o estudo do sono na pessoa idosa, a fim de reconhecer sintomas precocemente, sendo necessária uma abordagem ampla no sentido de determinar a causa ou causas associadas, objetivando tratamento mais efetivo, adequado e equipe interdisciplinar atuante, minimizando riscos possíveis, entre eles, o aumento da incapacidade na população idosa, visando assim melhor qualidade de vida neste grupo etário.

MINISTRANTE:
Adriano Filipe Barreto Grangeiro (UCB)

Carga Horária: 4

Vagas Disponíveis: 23

ADICIONAR

O centro cirúrgico é uma unidade da instituição hospitalar constituído para atender os clientes em situação eletivas, urgência e emergência, e necessita de profissionais qualificados e devidamente treinados para prestar assistência segura e de qualidade. É preciso que estes profissionais tenham a devida atenção para evitar a ocorrência de incidentes e eventos adversos. A catarata é a maior causa de cegueira evitável cirurgicamente. Essa cirurgia apresenta alta eficiência, favorável custo-benefício no tratamento e na reabilitação visual. A diminuição da acuidade visual causada por ela, e a cirurgia podem interferir na qualidade de vida das pessoas. A saúde e a qualidade de vida dos idosos, mais que em outros grupos etários, sofrem influência de múltiplos fatores: físicos, psicológicos, sociais e culturais. Assim, a assistência ao idoso deve considerar os processos de perdas próprias do envelhecimento e as possibilidades de prevenção, manutenção e reabilitação do seu estado de saúde. A cirurgia de catarata tem resultados positivos, tanto em relação ao aumento da acuidade visual quanto à diminuição de complicações oftalmológicas, bem como a redução dos prejuízos financeiros para o estado e funcionais para os pacientes que, consequentemente, causa impacto na qualidade de vida dos idosos. Estudos desenvolvidos no país e no mundo tornam evidente o grande número de pacientes com déficit visual devido à catarata, com baixo grau de instrução e baixa renda familiar, enfatizando a necessidade de programas na saúde pública que facilitem o acesso à informação e ao tratamento da doença. Salienta-se que a recuperação da visão por cirurgia produz benefícios econômicos e sociais ao indivíduo, à sua família e à comunidade. Porém, a situação precária de acesso à assistência oftalmológica, devido aos obstáculos encontrados pelo próprio sistema de saúde, dificulta a utilização do recurso cirúrgico e da assistência especializada. Entre as dificuldades encontradas pode-ser citados: equipamento e técnicas desatualizadas. Ressaltamos que a cirurgia de catarata proporciona melhora da produtividade no trabalho e estimula os indivíduos inativos a procurarem trabalho remunerado, mesmo aqueles com uma idade média superior a 68 anos. Esse fato pode ser considerado crucial, pois traz uma parcela, economicamente inativa da população de volta ao mercado de trabalho, o que sugere e estimula o retorno do investimento do Estado para a realização de cirurgia de catarata. São necessários ações de promoção e reabilitação de programas de saúde pública aos portadores de catarata para a melhoria da saúde e conseqüentemente da qualidade de vida dos idosos.

MINISTRANTE:
Tainara Sardeiro de Santana
Sue Christine Siqueira
Tamily Sardeiro de Santana

Carga Horária: 4

Vagas Disponíveis: 26

ADICIONAR

II CONGRESSO NACIONAL DE ENVELHECIMENTO HUMANO

Temas e Tendências das Pesquisas em Envelhecimento no Brasil